Imagem topo da página

Blog

História

21 de fevereiro: Dia Nacional do Imigrante Italiano

No dia 21 de fevereiro é celebrado, no Brasil, o Dia Nacional do Imigrante Italiano. Nos sentimos representados pela data, já que a família fundadora do parque Mundo a Vapor  fez exatamente esta jornada: atravessou o oceano deixando para trás a Itália e trazendo na mala o sonho de uma vida melhor no Brasil.

Para celebrarmos o dia 21 de fevereiro, vamos compartilhar parte da nossa história com vocês:

A saída da Itália

A origem da família Urbani no Brasil remonta ao final de 1800. O Governo Imperial definiu uma nova área para receber imigrantes que vieram da Europa, mais precisamente da Itália. Foi escolhida a então Província de São Pedro do Rio Grande do Sul para acolher os novos moradores.

Foi na localidade chamada Colônia Alfredo Chaves que o casal Irene Toffanin e Giuseppe Urbani (pais de Ernesto Urbani, avós de Omar e Benito Urbani – idelizadores do Mundo a Vapor) pisou pela primeira vez em solo gaúcho. O sonho da terra nova atraiu milhares de italianos, que deixaram para trás as dificuldades vividas na pátria mãe e partiram, cruzando o oceano em busca de melhores condições de vida na América.

Irene e Giuseppe fizeram este caminho, deixando familiares na Província de Vicenza, na Região do Vêneto, que fica a noroeste da Itália. Muitos relatos confirmam mortes por epidemias que assolavam crianças e adultos a bordo dos navios. Eram meses e meses em alto mar, sobrevivendo nas mínimas condições. Mas a tristeza e a incerteza que rondavam os passageiros não eram maiores do que a esperança por dias melhores.

Italianos no Brasil

A chegada ao Brasil representava um sopro de vida e a crença de que estavam mais perto de seus sonhos. Irene e Giuseppe chegaram ao final de 1892. Encontraram um país em transformação, que havia passado pela abolição da escravatura (1888) e pela Proclamação da República (1889).

A primeira parada foi na capital brasileira na época, Rio de Janeiro. Depois de passar pela exigência de quarentena que era imposta aos imigrantes, embarcaram mais uma vez no navio, agora em direção ao sul do país. É possível que tenham chegado a Rio Grande ou a Porto Alegre, mas não existe um relato preciso deste momento. Instalados na localidade chamada Alfredo Chaves, que depois passou a se chamar Veranópolis, Irene e Giuseppe iniciaram uma nova vida.

As terras gaúchas não apresentavam as melhores condições para plantio e subsistência, mas não havia o que fazer. Trabalharam, perseveraram e foram construindo seu modesto patrimônio. Em meio às dificuldades, algumas alegrias também motivavam o casal, como o nascimento dos quatro filhos: Eugênio, Ernesto, Otília e Tereza. A família não era numerosa – considerando os padrões das famílias italianas da época – mas cresceu unida pelo trabalho. Mantendo a tradição da sua origem, os momentos de descanso eram dedicados à fé, participando ativamente da comunidade católica local.

Chegada à Canela

O tempo foi passando e a família levava uma vida modesta, mas agradável em solo brasileiro. Os filhos cresceram ajudando na roça e estudando de acordo com as condições que eram possíveis. Cada um foi desenvolvendo suas habilidades. Ernesto Urbani seguiu a vocação do pai Giuseppe e tornou-se um mecânico respeitado, o que acabou por credenciá-lo a um bom casamento. A escolhida foi Otília Menegon. Os jovens casaram-se em 1925 e partiram em lua de mel para a Serra, em direção a então Vila de Canela. O ar puro e as belezas naturais foram um presente aos noivos, que chegaram cansados depois de três dias de viagem na garupa de cavalos.

As belezas da Serra fizeram despertar em Ernesto um desejo: instalar-se em definitivo na Vila de Canela. Seu ofício de mecânico seria bem recebido, já que a região prosperava com a extração da madeira. Havia em torno de 35 serrarias movidas por máquinas a vapor em atividade. Ernesto percebeu a oportunidade de abrir uma oficina para atender ao conserto das locomóveis.

A oficina e os locomóveis

Foi preciso um esforço muito grande, aliado a uma dose de coragem, para sair da terra natal – onde a vida já estava estabelecida – e partir em direção a outro lugar que oferecia oportunidades, mas também trazia incertezas. Mesmo assim o casal partiu, decidido a apostar seu futuro na Vila de Canela. Instalaram-se em uma casa modesta, de madeira, na entrada de onde hoje é o bairro Canelinha.

Quando a Officina Mechanica de Ernesto Urbani abriu suas portas, a chegada dos clientes ocorreu naturalmente. Atraídos pela placa vistosa da fachada, levavam peças de locomóveis e da ferrovia para consertos. Carros, caminhões e motocicletas também tinham destino certo quando precisavam de reparos. Foi assim que Ernesto Urbani formou clientela: amparado pelos bons serviços prestados.


Réplica da fachada da Officina Mechanica de Ernesto Urbani está em exibição no parque

A vida girava em torno da oficina. A mãe cuidava dos afazeres da casa, enquanto o pai garantia o sustento da família com o seu trabalho. Os três filhos homens do casal – Omar, Benito e Hermes – foram crescendo em meio a esse ambiente de máquinas e peças por todos os lados. Como não havia condições para a compra de brinquedos, eles se distraíam no próprio ambiente de trabalho do pai. As sucatas se transformavam em verdadeiras relíquias que preenchiam o universo infantil.

Leia também: Rolo compressor: o que os alemães têm a ver com isso?

O sonho de um mundo a vapor

As habilidades herdadas do avô Giuseppe foram bem aplicadas pelo pai, Ernesto. Depois foi a vez de seus filhos perpetuarem o ofício. Gradualmente, cada um passou a auxiliar Ernesto nas tarefas diárias da oficina, consertando peças. Herdeiros do seu talento e apaixonados por máquinas a vapor, Omar e Benito tinham a oficina do pai como um laboratório para a criatividade, onde passaram a criar réplicas artesanalmente. O que era um passatempo prazeroso acabou inspirando um novo negócio.

Omar (sentado) e Benito (em pé): irmãos Urbani deram vida ao sonho de presentear Canela com o Parque Temático Mundo a Vapor

Para conferir de perto todas as atrações do Mundo a Valor, adquira já o seu ingresso clicando no banner abaixo:

Em 1991, o Mundo a Vapor foi inaugurado, dando a Canela um atrativo turístico diferente, um parque temático. As máquinas a vapor em exposição sempre impressionaram por apresentar detalhes perfeitos e funcionamento mecânico completo. A novidade começou a atrair cada vez mais turistas, abrindo caminho para outros empreendimentos turísticos que vieram fortalecer o destino Canela. E assim, o Parque Temático Mundo a Vapor segue há 29 anos encantando milhares de visitantes.

Fique por dentro das novidades!

Newsletter